Butokukai S A | Associação Butokukai de Karatê de Santo Antônio

GLOSSÁRIO

Glossário 

ASHI – pé.
ASHI-ATE-WAZA – técnica com os pés.
ASHI-BARAI – varrer com os pés (passa pé).
ATEMI-WAZA – técnicas de golpear, traumatizando os pontos vitais.
BUDO – código de honra: conter a violência, disciplina, estabelecer e respeitar normas e leis, pacificar e enriquecer a sociedade e equilíbrio.
CHUDAN – altura do plexo,altura média.
CHUI – infração (comportamento incorreto na luta).
DACHI – posição, colocação, base.
DAN – grau.
DO – caminho.
DOJO – local de treinamento.
EMPI – cotovelo.
FUMI-KOMI – pontapé para baixo (pisão).
GEDAN – abaixo da linha da faixa, baixo ventre.
GOSHI / KOSHI – cintura, quadril.
GYAKU – contrário, invertido.
HAITO-UCHI – golpear com o bordo interno da mão.
HAJIME – iniciar.
HANSOKU-CHUI – reprimenda por infração.
HANTEI – julgamento.
HIDARI – esquerda.
HIKI – puxar.
HIKIWAKE – empate.
HIZA-KERI – joelhada.
JYU – movimentos livres.
JYU-KUMITE – combate livre.
JODAN – altura do rosto, pescoço.
JOGAI – fora do campo de treino, luta
JUJI-UKE – bloqueio em cruz.
KAKATO-GERI – chute com o calcanhar.
KAMAE – posição, postura.
KARATE-DO – o caminho das mãos vazias.
KATA – forma; movimentos seriados sistematicamente organizados, com técnicas ofensivas e defensivas que simula luta contra vários adversários.
KEAGE – chute com recolhida rápida do pé; chicotada.
KIAI – grito utilizado na finalização do golpe, que serve para liberar energia, assustar o adversário e estimular a contração do tórax, aumentando a estabilidade articular.
KIBA-DACHI – posição de cavaleiro.
KIME – impacto, potência.
KUMITE – pratica de luta.
MAE – à frente.
MAE-GERI – chute para frente.
MAWASHI – semicírculo.
MAWASHI-GERI – pontapé circular.
MIGI – direita.
MOROTE – duas mãos.
MOROTE-UKE – defesa dupla com as mãos.
NAGASHI-UKE – defesa circular para o alto.
NUKITE – técnica com as pontas dos dedos.
REI – saudação.
SEIKEN – parte interior do punho cerrado.
SENSEI – professor.
SHIAI – competição com contagem de pontos.
SHIAI-JO – espaço de luta em uma competição.
SHIZEN-TAI – posição básica (natural).
SHUTO – lâmina da mão.
SOKUTO – canto externo do pé.
TAI-SABAKI – esquiva em círculo.
TANDEN – Área situada atrás do umbigo, considerada pelos orientais, há milênios, como base para se conseguir estabilidade, equilíbrio e força.
TE – mão.
TEISHO – talão da mão.
UCHI – ataque indireto.
UKE – defesa.
URA – lado contrário.
USHIRO – para trás.
YAME – fim; parar; voltar à posição inicial.
YOKO – lado.

SISTEMA NUMÉRICO


1 – Ichi
2 – ni
3 – san
4 – shi ou yon
5 – go
6 – roku
7 – sichi ou nana
8 – hachi
9 – kyu ou ku
10 – ju
11 – ju-ichi
12 – ju-ni
etc…
20 – nu-ju
30 – san-ju
40 – yon-ju
100 – hyaku
1000 – sen
10 000 – man

por ex. 1967 – sen-kyuhyaku-rokuju-shichi

NIVEIS E DIREÇÕES

jodan – nivel superior
chudan – nivel medio
gedan – nivel inferior
hiza shita –abaixo do joelho
hidari – esquerda
migi – direita
mae – para a frente
yoko – lateral
ushiro – para trás
uchi – para dentro
soto – para fora
gawa – lado
uchi gawa – para dentro
soto gawa – para fora
joho – para cima
kaho – para baixo
zenpo – em direcção á frente
koho – em direcção atrás
sokuho – direcção ao lado
uho – direcção á direita
soho – direcção á esquerda
sayu – direita e esquerda
zengo – para a frente e para trás
sokumen – lado
naname – diagonal
tai soku ni – para o lado do corpo

FORMAS DE TREINO EM KARATE


kihon – treino básico
kata – forma
sentei kata – kata seleccionada (grupo de katas executadas por alunos de uma certa graduação numa competição ou exame)
shitei kata – katas designadas (grupo de katas que devem ser conhecidas em graduações de certo nível)
tokui kata – Kata favorita (nossa kata mais forte)
bunkai – análise, ……….(treino com parceiros das diversas aplicações de um kata)
kumite – combate
gohon kumite – combate a cinco deslocamentos
sanbon kumite – combate a 3 deslocamentos
kihon-ippon kumite – kumite básico a um deslocamento
jiyu-ippon kumite – combate livre a um deslocamento
kaeshi-ippon kumite – combate a um deslocamento com resposta a um deslocamento (quem efectua a defesa contra-ataca avançando, obrigando o atacante original a uma posição defensiva)
okuri-ippon kumite – Combate com dois ataques do mesmo elemento. O primeiro é predeterminado, sendo o segundo de livre escolha baseado na distância do oponente)
yakusoku kumite – as formas de combate do gohon kumite ao okuri-ippon kumite, formam o grupo do yakusoku kumite. A palavra yakusoku significa promessa ou compromisso, o que obriga o atacante a efectuar o ataque que estava predeterminado.
happo kumite – combater em várias direcções contra diversos adversários
Jiyu kumite – combate livre
oyo kumite – combate com aplicações
tanren kumite – combate de destrezas
kyogi kumite – combate de competição
shiai kumite – combate com objectivo de marcar ponto

KATA

Básicas

Heian Shodan –  Heian nível de Iniciação
Heian Nidan –     Heian segundo nível
Heian Sandan –  Heian terceiro nível
Heian Yodan –    Heian quarto nível
Heian Godan –    Heian quinto nível

Tekki Shodan – Tekki nível de iniciação
Tekki Nidan – Tekki segundo nível
Tekki Sandan – Tekki terceiro nível

Avançadas


Enpi – (Voo da Andorinha) Os rápidos movimentos de sobe e desce, lembram-nos as rápidas manobras das andorinhas. Enpi foi desenvolvida na escola Tomari-te e é uma das kata mais antigas do karate shotokan. O seu nome original era Wanshu

Bassai Dai ( Penetrar a fortaleza – Grande) – As técnicas fortes deste kata, que enfatizam os movimentos das ancas, fazem-nos lembrar um aríete a ser lançado contra paredes de pedra. Diz-se que Mestre Oyadomori introduziu as kata Bassai, oriundas das escolas Tomari-te e Shuri-te de Mestre Itosu. É uma kata ensinada em diversos estilos de karate, mas só os estudantes de Itosu praticam as duas formas da Bassai Dai e Bassai Sho

Bassai Sho ( Penetrar a fortaleza – Pequena) – A primeira parte da Bassai Sho inclui diversas técnicas contra ataques com bastão (Bõ). É um kata derivada da antiga Bassai Dai de Mestre Itosu, que também era chamado “ O punho sagrado do Shuri-te”. Este kata deve o seu nome derivado da sua linha de execução (enbusen) ser muito similar á Bassai Dai.

Kanku Dai (Olhar o céu – Grande) – O movimento inicial deste kata direcciona-nos o olhar para o céu. Se analisarmos bem todos os movimentos das katas heian são baseados neste kata, que era a perferida de Sensei Gichin Funakoshi e inicialmente foi designada como Ko-sho-kun e Kushanku, tendo sido desenvolvida por um perito em boxe chinês, Kung Siang Chun, diplomata chinês sob o nome de Kanku

Kanku Sho (Olhar o céu – Pequena) – O movimento anterior ao salto deste kata pode ser interpretado como olhar o céu. Contudo os movimentos e o enbusen da kanku dai e da kanku sho são similares. Mestre Itosu creou a kanku sho a partir da kanku dai inicial

Hangetsu (Meia Lua) – Adota o nome da sua posição principal, o hangetsu dachi. É a única kata em shotokan com tanto ênfase nas técnicas respiratórias. Tem a sua origem na escola de Naha-te, e é conhecida noutras escolas de karate como Seishan.

Jion (Amor e Bondade) – Jion é um termo Budista, sendo também o nome de um Templo na China onde os monges eram extremamente dedicados á prática de artes marciais. Repare-se que o movimento de junção das mãos, inicial e final, é típico da saudação chinesa. Contudo as suas posições e técnicas são bem representativas do estilo shotokan sendo uma das suas kata mais tradicionais, tendo as suas raízes na escola Okinawana de Tomari-te

Jiin (Amor e Sombra) – Jiin também é um termo Budista. Considerada a irmã da Jion, pela semelhança técnica e linha de execução, bem como a típica saudação inicial e final. Originalmente designada como Shokyo, tem as suas raízes na escola de Tomari-te.

Jitte (Dez mãos) – O nome deste kata, conta-se, ter tido origem no objectivo de ensinar os alunos a combaterem contra dez adversários. Outra versão diz-nos que o nome derivou da arma “jitte”. O uso desta antiga arma podem ser observados nos movimentos deste kata. Teve origem na escola Tomari-te pertencendo ao mesmo grupo da Jion e Jiin.

Meikyo (Espelho Brilhante) – O primeiro movimento deste kata sugere a acção de polir a superfície da água tornando-a mais calma e lisa do que um espelho. O sankaku tobi (triângulo de salto) no fim do kata diz-se ter significados secretos que pressagiam milagres. O seu nome original era Rohai;

Ninjushiho (Vinte e quatro passos) – Os movimentos do kata, particularmente os dois primeiros, sugerem-nos a imagem de ondas de encontro a um rochedo. O nome Shotokan, também engloba movimentos de ondas, as ondas dos pinheiros a crescer. O seu nome original era Ni Sei Shi,

Sochin (Força e Calma) – O nome deriva da sua posição base, o sochin dachi, que é uma posição de raízes muito fortes. Originalmente este kata pretendia ensinar defesas contra bastão (Bõ). Por esta razão, as técnicas de blocagem são efectuadas com movimentos grandiosos. O seu nome original era Hakko

Gankaku (Grou num rochedo) – A posição sobre uma perna (tsuruashi dachi) lembra-nos um grou pronto para atacar o seu adversário. Este kata é originário do Tomari-te. Curiosamente a linha de execução do kata (ichi ji gata enbusen) segue o desenho do carácter japonês para o numero um. Os movimentos são supostos simular um combate nas passagens ou ruas estreitas de Okinawa. O nome original era Chintô.

Wankan (Rei e Coroa) – É a kata mais curta do Shotokan, com a particularidade de só ter um kiai. Originária da escola Tomari-te

Chinte (Mão Rara) – Rara neste caso deve entender-se como extraordinária. Este kata possui um grande lote de técnicas de imobilização e técnicas circulares não muito habituais no conceito shotokan da “distância mais curta entre dois pontos”. É originária da escola Shuri-te.

Gojushiho Dai (Cinquenta e quatro passos – Grande) – Está entre as mais avançadas da escola Shuri-te, de Itosu Anko. Sensei Gichin Funakoshi chamava-lhe Hotaku (Bicar do Pica-Pau) pela semelhança de algumas técnicas com o movimento do bico do pica pau contra uma árvore

Gojushiho Sho (Cinquenta e quatro passos – Pequena) – Com a Gojushiho Dai são os dois katas mais avançados da escola Shuri-te

Unsu (Mãos nas nuvens) – O movimento inicial, tal como o elevar após o kawashi geri, simboliza o separar das nuvens com as mãos abertas. Unsu, com a sua variedade técnica, é um dos katas mais avançados. È por outro lado, um kata muito recente pois o registo do seu aparecimento remonta a 1922,

EXPRESSÕES DURANTE O TREINO

Ki o tsuke – Atenção ! Cuidado!
Yoi – Preparar. Estar pronto
Hajime – Começar. Iniciar
Kamaete – Colocar-se em posição
Mawatte – Virar
Yame – Parar
Naore – Voltar á posição inicial
Tsuyoku – Com força
Seikaku ni – Certo. Exactamente. Precisamente
Hayaku – Rápido
Yukkuri – Devagar

MOVIMENTOS

Idô – Movimento
Migiri – Ver e cortar (Forma de defesa em que ao nos apercebermos visualmente da técnica de ataque, adaptamos imediatamente o nosso movimento ao adversário)
Kirikaeshi – Contra-ataque
Kirikae – Mudar
Fumidashi – Avançar
Oi komi – Técnica com um avanço
Oshi komi – Puxar (lançar uma perna e após o apoio, arrastar a perna de trás)
Mawari Komi – Deslocamento em circulos
Tenshin – Virar o corpo
Kaiten – Rotação
Koshi no kaiten – Rotação de ancas
Jun kaiten – Rotações seguidas
Gyaku kaiten – Rotação sentido inverso
Irimi – “Lançar o corpo com força
Sabaki – Desviar para o lado
Tai sabaki – deslocar para o lado a totalidade do corpo
Tsuki te – Mão que soca
Hiki te – Mão que recolhe
Jiku ashi – Perna que serve de pivot
Hiki ashi – Perna que executa
De ashi – Perna que se move para a frente
Henka waza – Mudança de técnicas
Chôyaku hangeri – Contra-ataque em salto
Uke gae – Mudança de defesa
Dô kyaku – Perna que se move
Kaiun no te – Ambos os braços na lateral com as mãos em tatte shuto (Unsu)
Suihei bô dori – Agarrar um pau na horizontal com ambas as mãos (Bassai Sho)
Kami zukami – Puxar o cabelo
Eri zukami – Agarrar pelo pescoço
Te zukami – Agarrar a mão
Kakaekomi – Suportar o peso(adversário) sobre um braço
Gyaku hanmi kaeshi dori – Posição de agarrar antes do fumikomi na Bassai Dai
Morote jô uke – Defesa de batão a 2 mãos (Bassai Sho)
Jô zukami – Agarrar o bastão
Jô dori – Puxar o bastão
Suru – Bater
Suri ashi – Deslocamento deslizante
Okuru – Enviar
Okuri ashi – Deslocamento deslizante em que se desloca 1º o pé mais próximo do alvo, arrastando o outro
Yoru – Aproximar
Yoseru – Trazer para perto, juntar
Tsugu – Juntar
Yori ashi – Aproximar da perna mais longe do foco, seguida do lançamento da que está mais perto.
Yoko sashi ashi – Deslocamento na lateral com cruzamento dos pés (Kiba dachi)
Shahô sashi ashi – Cruzamento dos pés em movimento na diagonal (Heian Yodan)
Nusumi ashi – Roubar o apoio
Nami ashi – Elevação da perna, pelo joelho (Tekki Shodan)

POSIÇÕES

Tachikata – Posição
Shizentai – Posição Natural
Fudo dachi – Posição imóvel
Gyaku kokutsu dachi – Posição á rectaguarda oposta (kokutsu antes do ultimo shuto da Bassai Dai)
Gyaku zenkutsu dachi – Posição frontal oposta (gedan barai á rectaguarda da Empi)
Hangetsu dachi – Posição em meia lua
Heiko dachi – Posição com pés paralelos
Heisoku dachi – posição com pés unidos
Kata hiza dachi – posição sobre um apoio
Kiba dachi – Posição do cavaleiro de ferro
Kokutsu dachi – Posição com joelho flectido á rectaguarda
Kosa dachi – posição de pés cruzados
Musubi dachi – Posição com calcanhares unidos
Ryo te fuse – posição com mãos no solo
Sanchin dachi – Posição da ampulheta
Shiko dachi – Posição do quadrado
Sochin dachi – posição calma e forte
Tachi hiza – Posição a um apoio (kata hiza dachi)
Zenkutsu dachi – Posição com joelho frontal flectido
Ashi – Pé, perna
Kata ashi dachi – Posição a um apoio
Neko ashi dachi – Posição do Gato
Nige ashi dachi – Mesmo que gyaku zenkutsu dachi
Tsuru ashi dachi – Posição do Grou
Renoji dachi – Posição com pés em L
Teiji dachi – Posição com pés em T
Hachiji dachi – Posição com pés a 45º para o exterior
Uchi hachi ji dachi – Posição com os pés a 45º para o interior (contrária ao hachiji dachi)

POSTURAS

Kamae – Posição de combate com incidência no ataque ou na defesa
Chudan kamae – Kamae com a guarda ao nível médio
Gankaku kamae – Posição de dupla defesa da kata gankaku, com pé apoiado na curva do joelho oposto
Gedan kamae – Kamae com a guarda de nível baixo
Ryo yoko gedan barai kamae – Guarda com 2 braços em gedan barai lateral
Hidari kamae – Kamae com a perna esquerda á frente
Jyu kamae – Kamae livre
Jodan kamae – kamae com a guarda alta
Juji kamae – kamae com os braços em defesa em X
Kagi kamae – Kamae com braço em kagi tsuki
Kigamae – Kamae do Ki (energia)
Ai kamae – Os combatentes tem guarda de lados contrários (posição aberta)
Gyaku kamae – Os combatentes tem a guarda do mesmo lado (posição fechada)
Kitsutsuki no kamae – Guarda do “pica-pau” – movimento da Gojushiho sho com mão em ippon nukite apoiada sobre costas da mão contrária
Koshi kamae – Kamae com os punhos na anca
Ryo ken ryo koshi kamae – Guarda com ambos os punhos em ambas as ancas
Soete koshi kamae – Duplo hikite com uma mão aberta (inicio da Enpi)
Manji kamae – Guarda com os braços em manji uke
Migamae – Kamae do corpo
Migi kamae – Kamae com a perna direita á frente
Mizu nagare no kamae – “kamae do fluxo da água”. A água deve fluir pelo braço sem ser parada pelo cotovelo, que deve de estar mais baixo que o ombro em manji uke ou que o punho em kagi tsuki
Morote koko kamae – Defesa dupla de “Bô” com mãos abertas como na Bassai Sho
Shuto kamae – Guarda com os braços em shuto uke
Sasae uraken kamae – Guarda com uraken suportado nas costas do punho oposto (posição de ura tsuki/uraken uchi da tekki shodan)
Suihei hiji kamae – Guarda com ambos os cotovelos na horizontal (posição inicial da tekki nidan)
Yama – Montanha
Yama kamae – Posição como o carácter japonês para montanha (Braços em cima, a 90º e paralelos como na Jitte)
Ryo ken yama kamae – Guarda em yama kamae com punhos fechados
Ryo sho yama kamae – Guarda em yama kame com punhos bertos
Yoko Kamae – Guarda lateral
Hanmi – Posição com o corpo rodado a 45º com a anca da perna da frente rodada de frente
Gyaku hanmi – Posição com a anca da perna de trás rodada em frente.

Arte Marcial


Do – Via, Caminho. Conceito que se aplica à parte Espiritual como disciplina para a formação do caráter e do corpo mediante a prática de uma Arte Marcial.
Jutsu – Técnica. Conceito que se aplica à parte Material das Artes Marciais, dirigido principalmente à eficiência das técnicas de uma Arte Marcial e em segundo plano à sua filosofia.
Bugei – Arte Marcial. Bu – marcial /guerra e Gei – arte.
Bujutsu – Técnicas da Guerra, focando principalmente a eficácia das técnicas da Guerra, mas não desprezando a faceta espiritual.
Budo – A Via da Arte da Guerra, focado em preservar a paz e evitar o conflito, tendo fortemente marcada a influência Budismo Zen e Shinto, e cuja prática principal é ao desenvolvimento interior mediante a prática marcial. Este nome modificou-se para Bujutsu no período Edo.
Gendai Bujutsu – Arte Marcial moderna.
Koryu – Escola tradicional, escola antiga.
Dokkodo -Via que há que seguir sozinho.
Buke-seigi – Código e regulamento militar.
Buki – Utensílios ou ferramentas adaptados como armas de guerra.
Budoka – Artista Marcial. Praticante de uma disciplina marcial.
Budo Mugen – O Budo é infinito.
Budo Ni Chikamichi Nashi – No Budo não há atalhos.
Budo Wa Shusei Geneki – O Budoka deve permanecer ativo durante toda a sua vida, deve treinar, praticar com vontade, investigar para desenvolver as técnicas, aperfeiçoar o caráter e a filosofia, para então orientar os seus sucessores.
Hyodo – Antigo nome dado aos Budo.
Kakuto-bugei – Artes Marciais de combate, conjunto de técnicas Budo em que se utiliza só armas, excluindo as técnicas com as mãos desarmadas.
Nagai-mono – Armas compridas , categoria de armas compridas como os sabres, lanças, etc.
Mijikai-mono – Armas curtas , categoria de armas curtas como punhais, facas, bastões, correntes, etc.
Marubashi – A via da natureza, da liberdade e da energia da vida.
Hiho – Método secreto.
Hiden – Ciência oculta, mistério de uma arte.
Hi-jutsu – Técnicas ocultas.
Oshikiuchi – Artes Militares secretas que eram ensinadas somente aos guerreiros de alta patente (oficiais).
Jiei – Defesa Pessoal. Também Goshinjutsu.
Hyoho – Método da estratégia.
Heido -Via Militar.
Bushi – Guerreiro.
Senshi – Mulher guerreira, costumavam lutar para um Daimyo.
Hei – Arma, guerreiro, exército.
Han – Pelotão, patrulha, corpo.
Ryu – Escola, estilo.


Palavras Comuns no Dojo


Hai – Sim.
Iie – Não.
Joi – Atenção, preparados. Também chamado Kiotsuke.
Hajime – Começar. Também Hashime.
Yoshi – Ide, seguinte, adiante.
Hakke-yoi – Muito bem!
Yame – Alto.
Matte – Esperar.
Yasume – Descanso.
Shugo – Alinhar, formar.
Seiza – Sentar-se de joelhos.
Agura-wo-kaku – Sentar-se com as pernas cruzadas.
Kiritsu – Levantar.
Atatamaru – Pré-aquecimento antes do treino. Também Junan-taisho e Jumbi-undo.
Asiru – Correr.
Junan-shitsu – Flexibilidade, elasticidade. Também Danryoku.
Juho – Treino para a Flexibilidade.
Chui – Advertência.
Mawate – Girar, troca de direção.
Tsugi – A seguir, seguinte, próximo.
Wakare – Separar.


Treinos e Praticas


Hoyo-undo – Estudo dos fundamentos e técnicas de um Budo.
Manabu – Aprender copiando, método de aprendizagem dos movimentos imitando o instrutor.
Keiko – Prática. Estudo e aperfeiçoamento das aplicações e técnicas de um Budo, com o fim de superar (kei) os antigos (ko).
Renshu – Treino físico.
Shugyo – Treino austero.
Kan-geiko – Treino de Inverno.
Asa-geiko – Treino Matinal.
Shinya-geiko – Treino Noturno.
Nohara-geiko – Treino no Campo.
Hatsu-geiko – Treino de ano novo, o qual dura vários dias.
Sute-geiko – Treino especial, reservado a alguns alunos.
Hakuda – Curso de treino.
Taikai – Encontro.
Tandoku-geiko – Prática individual.
Sotai-geiko – Prática com companheiro.
Tandoku-dosa – Estudo e treino de uma técnica individual.
Sotai-dosa – Estudo e treino de uma técnica com um companheiro.
Tameshi – Prova, ensaio, experiência.
Hishigi – Técnica de quebrar madeira, telhas, tijolos…
Siwari – Prática de quebrar no qual se treina e endurece os membros.
Kote kitai – Endurecimento dos antebraços.
Bokinobu – Técnicas com mãos desarmadas contra oponente armado.
Toshunobu – Técnicas com arma contra oponente com mãos desarmadas.
Kakari-geiko – Prática de técnicas básicas de defesa e ataque.
Gokaku-geiko – Treino entre praticantes de um mesmo nível.
Kachinuki – Treino muito especial tipo combate, no qual um praticante enfrenta um oponente atrás de outro, sucessivamente e sem pausas, até ficar esgotado física ou mentalmente e ou ser derrotado.
Kumite – Combate.
Irikumi-kumite – Combate no qual uke se baseia em atacar e tori apenas defende.
Jyu-kumite – Combate livre. Também Jiju-kumite.
Bogu-kumite – Combate com projeções.
Jissen-kumite – Combate real.
Shobu – Combate até à morte entre dois experientes Budokas. Também Shinken-Shobu.
Kakidameshi – Duelos entre escolas, desenrolavam-se secretamente.
Shiai – Luta de destreza, torneio, competição.
Taryu-jiai – Duelos entre distintas escolas ou estilos, realizados para ajudar ao progresso das artes marciais e estabelecer a superioridade do estilo.
Futaridori – Combate contra vários atacantes.
Gonin-gake – Combate contra cinco atacantes.
Junin-gake – Combate contra 10 atacantes.
Hasen-kata – Serie de Katas executadas umas seguidas às outras.
Shinko-kata – Kata superior.
Tokui-kata – Kata preferida.
Tokui-waza – Técnica preferida.
Geki-waza – Técnica de ataque.
To-jin-ho – Quedas particulares executadas sobre uma superfície dura, não sobre Tatami.
Gorei – Prática num grupo de uma arte marcial, sem orientação de um expert. Forma de treino coletivo.
Bunkai – Análise, estudo de uma kata.
Oyo-bunkai – Aplicação de um bunkai.
Enbu – Demonstração.
Shintai – Movimento, formas de deslocar-se.
Shikko – Caminhar de joelhos.
De-ashi – Passo natural.
Okuri-ashi – Passo deslizando a primeira perna e arrastando a outra. Mae frontal e Ato atrás.
Hiraki-ashi – Passo igual a okuri-ashi, mas para os laterais e oblíquos. Mae esquerdo e frontal e Ato direito e atrás.
Tsugi-ashi – Passo deslizando a perna traseira e depois a dianteira. Mae frontal e Ato para trás.
Suri-ashi – Passo deslizante em avanço.
Ayumi-ashi – Passo cruzado. Mae frontal e Ato para trás.
Yori-ashi – Passo com ambos os pés ao mesmo tempo.
Fumi-gaeshi – Troca de guarda sem deslocamento.
Tenkai-ashi – Pivo, rodar a direção do corpo sem deslocação.
Irimi – Esquiva em Tsugi-ashi/okuri-ashi entrando.
Tenkan – Esquiva girando o corpo e retrocedendo a perna.
Irimi-tenkan – Esquiva entrando e girando o corpo para desequilibrar.
Kaiten-ashi – Esquiva em Suri-ashi (irimi) e Tenkan.
Tai-sabaki – Esquiva (kawashi).


Disciplinas e Conceitos Tradicionais


Shitate – Educar, disciplinar.
Dojo-Kun – Regra, código, conduta do Dojo.
Budo-seishin – Formação espiritual e conceitos filosóficos do Budoka.
Sushin-ho – Cultura do espírito e da moral, ao qual se atribui a capacidade de conduzir o homem a autoperfeição mediante um Budo.
Kyudo Mugen – A busca do caminho é ilimitada.
Tanren – Prática assídua pela qual se chega a autoperfeição.
Seishin-tanren – Formação espiritual do homem, cujo espírito, comparável a uma folha de sabre, deve, como esta, ser forjada e purificada de maneira a que alcance a perfeição.
Makoto – Mente pura. Sentimento de sinceridade absoluta. Fidelidade, lealdade.
Gyodo – A verdadeira via. O que leva o Do verdadeiramente no seu coração.
Tsua-mono – Homem de valor, de qualidade. Guerreiro valente.
Otokodate – Homem de espírito cavalheiresco e forte caráter que alcançou o domínio das suas paixões pela prática do Budo que defende os fracos e oprimidos.
Kyokaku – É o equivalente de Otokodate do cavaleiro europeu.
Ki-gai-yuku – O Ki vai-se, estado de fadiga e pouco Ki.
Yuki – Valor, coragem.
Tsuyoki – Vigor, forte, pessoa de grande caráter com um Ki poderoso.
Yowaki – Timidez, débil, pessoa de pouco caráter com um Ki débil.
Michi-o-osameru – Alcançar a Via.
Gokoku-taihei – Defender a Paz.
Nukazu-ni-sumu – Sem desembainhar o sabre, significa que o sabre está para manter a paz e não para fazer a guerra.
Ho – Método, conjunto, lei, regra.
O-moi – Ajudar com carinho e desapego.
Kokoro-e – Verdadeiro espírito de compreensão e conhecimento do Budo.
Magokoro – Sinceridade de coração.
Shoshin-o-wasurezu – Não esqueças o espírito e humildade de um principiante.
Kantan-na-mono-yoku-kachi-o-seisu – O equilíbrio entre a vitória e a derrota muitas vezes depende das coisas simples.
Yamato-gokoro – Coração Japonês.
Furyu – Costumes e crenças das antigas gerações que há que respeitar no treino.
Bushi-no-nasake – Ternura do guerreiro, até os mais fortes e valentes devem mostrar compaixão e carinho a todos os seres, a força e o conhecimento em tempos de paz, não deviam servir mais que para proteger os fracos e ensinar aos ignorantes.
Ahimsa – sânscrito – Não-violência dirigido aos homens e animais. Ideal de origem budista excluindo o ódio, os maus pensamentos e o egoísmo.
Alaya – sânscrito – Depósito da consciência. É o inconsciente que alimenta a consciência.
Mokuso – Meditação (mokko/ meso) em seiza. Momento de silêncio meditativo que geralmente se faz ao iniciar ou ao terminar uma aula. Tem como objetivos libertar a mente, acalmar o espírito e preparar o estudante para o treino.
Higyo hi-za Sammai – Meditação livre que deve conduzir ao vazio completo.
Antei – Harmonia, equilíbrio, firmeza.
Fu-antei – Desequilíbrio, instabilidade.
Gaman – Perseverança, paciência.
I – Vontade.
Jukuren – Habilidade, destreza.
Ichiban – Primeiro em japonês; diz-se de tudo o que é de primeira qualidade, pode aplicar-se tanto às coisas como à técnica.
Enryo – Desprezo da morte, sem medo da morte.
Nyunan-shin – Suavidade do espírito, o praticante deve aceitar com humildade as diretrizes do professor abstraindo-se do seu ego.
Keppan – Juramento do principiante antes de começar numa escola clássica de artes marciais.
Buke – Família guerreira. Nome aplicado à classe dos guerreiros, cuja profissão e cujas técnicas se transmitiam de pais a filhos e de mestres a discípulos.
I-shin-den-shin – Modo de receber um ensinamento segundo a expressão japonesa – Da minha alma à tua alma. Não se transmite verbalmente e dava-se antigamente no Tibet e no Oriente de mestre a discípulo.
Den – Iniciação. Divide-se em 3 fases, Shoden (primária), Chuden (média) e Okuden (secreta ou superior).
Gokuhi – Técnicas particulares que um mestre ensina aos seus alunos mais avançados de graus mais altos, por vezes qualificada de Hiden – ciência oculta, Hijutsu – técnica oculta.
Okuden – Ensinamento Secreto, dada por um mestre a alguns discípulos escolhidos por ele, os quais, por sua vez não devem divulgá-la mais que a Budokas selecionados.
Cho-ichi-ryu – Designação do melhor experiente com sabre, honra perseguida por muitos Bushi.
Dokukodo – Obra escrita por Miyamoto Musashi e dedicada a conselhos de ordem ética aos guerreiros, pondo em evidência o desinteresse, o desprezo pela morte, o sentido de honra, a austeridade e o desprendimento.
Kannagara – Via de intuição que não comporta nem leis nem doutrinas do bem nem do mal. Rege-se pelas leis que governam os fenômenos naturais.
Kototama – Função espiritual dos sons.
Kenshi – Experiente na técnica do sabre.
Bushi – Guerreiro.
Musha-Shugyo – Guerreiro que prova a sua destreza e habilidades com outros guerreiros em duelo ou em Taryu-jiai.
Yaburi-dojo – As escolas de artes marciais eram muito numerosas em todas as épocas, pelo menos desde o século XV, e era normal que mestres e alunos de um Ryu fossem ao Dojo de outro para desafiar os seus praticantes. Quando o mestre desafiado dessa maneira era vencido, perdia o seu prestígio e os seus discípulos alistavam-se debaixo da bandeira do vencedor. Esta prática de desafios ainda existe nos nossos dias entre Dojos de uma mesma disciplina, mas em forma de competição amigável.
Samurai – servidor, vassalo. Soldado que jura lealdade e honra ao seu senhor (daimyo).
Daimyo – Senhor feudal.
Shogun – Governador militar.
Tatsujin – Aquele que alcançou a perfeição do sabre.
Mondo – Reunião formal entre um mestre de artes marciais e os seus alunos ou discípulos (Monjin) no Dojo, durante a qual falam do espírito dos Budo. Na prática do Zen, o mundo é um simples diálogo entre o mestre e um dos seus discípulos, no curso do qual, o mestre dá a este em Koan para que medite. Esta conversa tem como fim superar o processo convencional do pensamento para chegar mesmo ao coração das coisas mediante a compreensão intuitiva. O Koan é uma sentença muito curta sem nenhum significado lógico, mas que esconde uma verdade que o discípulo deve procurar descobrir.
Misogi – Cerimônias e técnicas de purificação.
Tantra – Disciplina espiritual.
Musho-toku – Sem meta nem espírito de proveito. Não desejar alcançar um fim nem desejar proveito ou recompensa por uma ação, sentimento que deve guiar ao que atua o mesmo no Zen como na prática das artes marciais. Só aquele cujo pensamento está purificado pode alcançar este ultimo estado da vida. É a não consciência, a não meditação que situa o espírito em absoluta disponibilidade.
Seishi O Choetsu – Troca de atitude mental do Samurai, confrontado diariamente com o problema da vida e da morte.
Satori – Iluminação espiritual.
Kaigen – Despertar espiritual.
Ri-gi-ittai – Teoria e técnica são uma só.
Shin-gi-ittai – Espírito e técnica são uma só.
Shin-gi-tai – Espírito, técnica e corpo, aplica-se ao desenvolvimento do Budoka em –
Shin – Formação de caráter, domínio do corpo e da mente, filosofia, etc…
Gi – Técnicas, estratégia, formas de treino e conceitos, etc.
Tai – Conhecimento interior do corpo, preparação física, etc.
Rishi – Transcendente, o que encontrou o caminho da verdade.
Ryu-gi – Aprender a dirigir o espírito, um dos segredos das artes marciais.
Shi – Morte. A vida não é mais do que uma passagem transitória entre o material e o espiritual. O Bushido era a via da morte, ganhar ou morrer.


Conceitos da Técnica


Aiki – União com o Ki. Estado de impassibilidade de espírito do combatente, no qual toda a sua força está concentrada no Hara. O seu espírito deve estar livre de qualquer intenção de agressão e permanecer alerta. É o estado estático do Kiai, da mesma maneira que esta seja a forma dinâmica expressa silenciosamente ou não, do Aiki. Dele precede a faculdade de vencer moral e espiritualmente um adversário sem recorrer a armas. É o estado psicológico que não exige vencer sem atingir.
Aiki-ho – Doutrina baseada na não resistência ao empurrão, ao peso ou atração de um adversário, como o ramo de salgueiro que se dobra debaixo da neve e faz com que esta caia, e adotada por muitas escolas.
Sei-Ryoku-Zen-Yo – Mínimo esforço e máxima eficácia/resultado.
Rakka – Força contra força.
Aiki-no-Sen – Tirar proveito da postura do adversário.
Ai-nuke – Situação na qual dois potenciais adversários tendo chegado à união dos seus respectivos Ki, quer seja antes ou durante um confronto, não podem combater e cuja conseqüência é que não pode haver vencedor nem vencido. Os dois adversários chegam então a uma mútua compreensão que supera o materialismo do combate e unem-se espiritualmente, acima dele, em perfeita harmonia.
Antei – Harmonia, equilíbrio, firmeza.
Ato-no-Sen – Iniciativa defensiva, ação de iniciar um movimento de defesa quando se percebe a intenção de ataque do adversário, de maneira que se possa bloquear e contra-atacar imediatamente, às vezes, inclusive, de atacar antes do adversário.
Bonno – Paixão perturbadora. Momento, durante o qual o espírito de um Budoka se fixa e perde a sua serenidade. Se o seu adversário sabe aproveitar-se de este trânsito para o vazio, obterá facilmente a vitória. Portanto, é de uma importância vital que o Budoka tenha sempre o espírito desperto (Hontai), em alerta sereno, com o fim de não dar ocasião ao seu adversário de aproveitar esta lacuna.
Chikara – Força, potência. A ação Chikara (in/yin) acompanhada de Ki (yo/yang) dá uma ação completa perfeita.
Chimei – Golpe decisivo e perigoso que pode ser mortal se dado verdadeiramente a fundo.
Ikken-hissatsu – matar de um só golpe. Também Ichigeki-hisatsu.
De-ai – Ataque realizado ao mesmo tempo em que o adversário.
Debana – Ação de desanimar o adversário.
Ensan-no-Metsuke – Arte de olhar sem ver e ver sem olhar. Não há que se fazer escravo do objeto que se olha, há que captar toda a sua esfera numa visão total.
Enshin – Posição de preparação no combate.
Fudoshin – Espírito imutável. O domínio da mente, o estado no qual o espírito não está perturbado por nada exterior. Ignora o medo face ao perigo, face a uma agressão e face a um acontecimento imprevisto. É a impassibilidade total face aos riscos da vida. Este conceito, exposto por Takuan, foi desenvolvido por Miyamoto Musashi, que o denominou Iwa-no-mi, (Corpo-como-uma-rocha). Diz-se de um combatente que permanece imperturbável e sereno em qualquer circunstância.
Genshin – Pressentir. Sentido de alerta face à ação de um adversário, que permite a um combatente pressentir o seu ataque e que não adquire senão depois de longos anos de prática. Quem o possui pode também prever um ataque uma fração de segundo antes que se produza, e contra-atacar imediatamente com a maior eficácia.
Hangeki – Defesa e contra-ataque simultâneo.
Happo-moku – Técnica de fixar o olhar no vazio de maneira que se enquadre todo o campo visual nas oito direções sem ter que mover a cabeça e sem fixar-se em nenhum objeto em particular.
Heijo-shin – Estado de espírito firme, tranqüilo e desprovido de emoção que deve ter aquele que é objeto de um ataque. Este estado de espírito deve ir acompanhado por uma atitude tranqüila, um ritmo de respiração normal e uma confiança total em si mesmo, sem medo algum.
Hen-O – Conceito da percepção correta dos movimentos do adversário com a resposta técnica apropriada.
Hikia-U – Ser proveitoso, vantajoso.
Hontai – Estado de vigília e de alerta permanente do combatente em combate, no qual o espírito não se fixa, senão que permanece claro e controla todas as faculdades. É o domínio perfeito do corpo, da vontade e do espírito, adquirido após um longo treino. Segundo o monge Zen Takuan, é a Sabedoria que reflete o espírito imóvel que não se fica em nenhuma parte.
Irimi – É a forma positiva de toda a técnica defensiva, a não resistência deixando que a força do adversário se vire contra ele, e que deve originar um movimento simultâneo de contra-ataque.
Jû-joku-go-o-sei-suru – A suavidade controla a força. Conceito que se encontra na base de todos os Budo e que teria sido enunciado pela primeira vez pelo filósofo chinês Lao-Tse.
Jukuryo-danko – Reflexivo, mas rápido na ação.
Ju-No-Ri – Principio de suavidade e de flexibilidade que consta de uma postura adequada e de uma ação sem brutalidade nas quais Tori não deve opor-se à força de Uke, mas pelo contrário, servir-se dela para desequilibrar o adversário conservando sempre o seu próprio equilíbrio.
Kan-ken-futatsu-no-koto – Expressão do guerreiro na sua aplicação do Bujutsu significando a sua possibilidade de ver com os olhos e a mente, dando-lhe a oportunidade de pressentir o perigo.
Kikai – Instante que separa dois movimentos de ataque ou defesa no decurso de um combate (durante o qual um dos adversários se encontra em estado de incerteza) e, portanto vantajoso para o seu oponente.
Kobo-ichi – Unidade no ataque e na defesa. Fenômeno pelo qual a ação defensiva e ofensiva é uma só.
Iki-ai – Coordenação.
Kogeki – Ataque real (em karate).
Kakedameshi – Ataque forte.
Kussin – Expansão e contração do corpo.
Kanzyo – Pensamento concentrado para levar as energias numa mesma direcção.
Todome – Rematar.
Kokoro-no-mizu – Espírito como a água. Estado ideal de espírito, calmo e alerta. Disponível como a superfície da água tranqüila que se molda ao receber um tufo de erva. Este deve ser o estado do Samurai e do Budoka.
Miru-no-kokoro – Espírito de visão. Visão global do adversário, do que o rodeia e avaliação do seu espaço-tempo.
Mizu-no-kokoro – Coração como a água, expressão que indica a calma perfeita do espírito, a sua não agressividade e a sua resistência passiva. A quem o possui, o Mizu-no-kokoro é então sensível a todas as percepções e o seu Ki está em sintonia com todos os seres.
Mushin – Pensamento original, sem fixação de qualquer tipo, aberto a todas as coisas e refletindo-as como se fosse um espelho. É o contrário de Ushin, pensamento temporariamente fixado, consequentemente superficial. O Munen-mushin (Muso) é o estado de vazio (Shunya), de disponibilidade total do espírito que, não estando fixado (Mushin), não se preocupa nunca com a aparência das coisas.
Muso-ken – Movimento atacante ou defensivo, que resulta espontâneo e sem a intervenção do pensamento, antecipando as ações do oponente. O Musoken representa um tipo de sexto sentido.
Mutekatsu – Vitória sem combate.
Ma-ai – Distância, espaço, significa a distância / tempo que separa duas coisas. Existem três distâncias básicas em – Chika-ma curta distância, To-ma longa distância, e Issoku-Itto-No-Maai intermédia entre estas duas. Esta última significa, literalmente, distância de um passo/golpe.
Nuki – Esquiva.
Nuki-waza – Técnica evasiva. Geralmente consiste num passo atrás ou uma rotação destinada a esquivar um ataque, o que ocasiona que o mesmo encontre o vazio e com isto se aproveita o momento de equilíbrio do oponente para contra-atacar.
Donto – Respiração Normal.
Kokyu – Controlo respiratório. Respiração profunda que tem origem no Hara e que ativa o movimento do Ki. É a coordenação entre a respiração e o movimento, acumulando o Ki e dirigindo-o e redirecionando-o com o golpe ou técnica. Também chamado Yo-ibuki.
Nogare – Respiração. Faz-se inspirando pelo nariz e expirando (ibuki) pela boca.
Fukushi-kokyu – Prática de respiração e tensão abdominal.
Ibuki – Técnica respiratória sonora a partir do ventre que permite principalmente dominar a dor padecida depois de um atemi ou um hishigi.
Zanshin – Estado de alerta, guarda mental.
Sakki – Sede de sangue/ar de assassinato. Sensação negativa de agressividade. Sentimento instantâneo e intuitivo que tem um praticante de um Budo respectivamente à intenção agressiva de outra pessoa, e que permite contra-atacar antes, inclusive, que o adversário tenha tido tempo de decidir um ataque efetivo.
San-nen-goroshi – Técnica secreta que consiste em atingir o adversário de tal forma que a morte o encontra mais tarde (san-nen=3 anos). Esta técnica pertence mais ao domínio da lenda que da realidade, ainda que alguns traumatismos derivados de um Atemi podem deixar seqüelas que, em longo prazo, podem encurtar a vida normal de um individuo.
Samadhi – Concentração total, perfeita.
Sen-no-sen – Antecipação, iniciativa tomada durante um combate antecipando-se a este.
Go-no-sen – Percepção de um ataque em estado de espera.
Senken – Ataque executado antecipando-se ao de um adversário.
Shashin – Num combate, ou antes, deste abertura deliberada de um dos combatentes destinada a enganar o adversário.
Sahi-te – Mão que entra, técnica defensiva atacante.
Shimei – Ataque que pode chegar a ser mortal.
Shingitai – Valor triplo dos que alcançaram o grau de cinturão negro, sendo Shin o valor moral, o caráter, Gi o valor técnico, e Tai o valor físico. Estes três valores devem ir a par com os dois princípios básicos das artes marciais – o Seiryoku Zen yo ou utilização eficaz da energia e o Jitakyoei ou ajuda e cooperação mútuas, princípios extraídos do Bushido. O Yudansha que possui o Shingitai reúne em si mesmo o Céu (shin), a Terra (gi) e o Homem (tai). É então um homem completo.
Shin-gai-muto – o sabre não existe separado do espírito.
Shisei – Posição adotada por um combatente para a defesa ou contra-ataque. Pode ser natural ou defensiva.
Shobu – Antigamente combate até à morte (shinken-shobu) entre dois peritos em artes marciais.
Suki – Abertura, oportunidade no ataque.
Shinkaku – Ângulo cego. Ângulo que dificulta a combinação do ataque do adversário enquanto favorece o nosso.
Sukima – Vazio, estado de vácuo no momento do ataque para ter a resposta adequada de defesa e contra-ataque.
Suki-o-mitsukeru – Esperar e ver vir, atitude de um combatente que observa o seu adversário, à espera do momento propicio para atacar ou contra-atacar.
Tsukuri – consiste em pôr o oponente numa situação adequada para poder realizar a técnica que queremos.
Waza-o-korosu – Controlo da técnica. Ataca-se a técnica do adversário adivinhando as suas intenções, conhecendo os seus pontos fracos.
Yomi – Leitura. Arte de ler o pensamento de um adversário inclusive antes que este tenha tido tempo de idealiza-lo, e, em artes marciais, arte de poder prever assim um ataque. Este Yomi depende por sua vez do conceito de Ma-ai e do Hyoshi. É o equivalente do Ishin-den shin (de um espírito ao outro) que caracteriza as relações correntes entre japoneses, nas quais a palavra resulta-lhes freqüentemente inadequada para transmitir um sentimento difícil de precisar, e cuja expressão não está bem vista pela etiqueta nem pelos convencionalismos. É o ser com uma forma da verdadeira compaixão.
Zen-kwun-do – Técnica de combate cujo principal objetivo consiste em partir o braço ou a perna do adversário ao primeiro ataque. Há bloqueios especiais. Utilizam-se também os dedos nos olhos e na garganta.
Encho-sen – Prolongação do combate.
Ki – Energia vital que se concentra e nasce no Hara ou Saika-Tanden.
Kiai – Concentração da energia, expulsão do Ki acumulado mediante um grito. Também utilizado para paralisar o inimigo.
Kensei – Kiai em silêncio.
Kime – Concentração do Ki num ponto determinado.
Kimochi – Sentimento, sensação do Ki.
Kake-goe – Gritar para obter mais energia.
Hyoshi – Ritmo na execução de uma Kata ou técnica.


Outras palavras


Arashi – Tempestade.
Araso-u – Disputa.
Asahi – Sol. Levante.
Ase – Suar, transpirar.
Ada – Adversário.
Aite – Inimigo, adversário.
Banzai – 10.000 anos de felicidade.
Dai – Superior.
Sho – Inferior.
Gendai – tempo, idade, presente.
Dento – Tradicional, original, autêntico.
Ran – Guerra.
Hon – Origem, raiz, fundamento, lenda.
Chi – Sabedoria, prudência.
Seichushi – Samurai inteligente e leal.
Jotatsu – Progressos.
Make – Derrota.
Kashi – Vencedor.
Kaiso – Fundador.
Kaishi – Inaugurar, abrir, começar.
Kihaku – Espírito vigoroso.
Katai – Duro, rígido.
Yawarakai – Brando, relaxado, flexível.
Mamori – Proteção, defesa.
Mono – Alma.
Monogatari – História, conto.
Mon – Escudo, desenho.
Mugen – Infinito.
Satsui – Intenção de matar, assassinar.
Sei – Natureza, espírito autêntico, vida.
Seien – Estimulo, ajuda.
Jisei – Método.
Yugen – Habilidade misteriosa.
Chushin – Centro.
Shinpan – Juiz, arbitro.
Daki – Abraçar.
Gorei – Ordem.
Gokui – Limite extremo.
Gusuku – Castelo.
Yu-gei – Arte e cultura tradicional.
Wa – Paz.

Copyright © 2011 Butokukai Santo Antônio - Praça da Bandeira, 86 – 3º Andar – Santo Antônio - Vitória - ES
Em frente ao Cemitério de Santo Antonio - (27) 3035-2058 / 8818-1378

Desenvolvimento e hospedagem Inovanet Holding Company